O objetivo do delegado Bodstein era tirar o marido do seu caminho !!!




 

Essa declaração foi afixada em portaria de clube de radioamadores, onde os equipamentos da Trans-Ennis eram comercializados, foi enviada a bancos, fornecedores e clientes.  --- Em tempo de Ditadura Militar, fez com que todos tivessem medo de comprar os equipamentos da Trans-Ennis.



O Dr. Osvaldo Andrade NEGOU em Juizo ter dado qualquer ordem de internamento do anistiado, configurando CÁRCERE PRIVADO, com agravante penal de ser em hospital.

O delegado Bodstein, (em seguida foi extinta a classe dos Comissários de Polícia)

agiu de forma tirar o marido da sua amada, do seu caminho !!!




 

 

13ª Vara Criminal --- Processo 35.581

2ª Testemunha:  Dr. Oswaldo Moraes Andrade- disse que já depôs sobre o caso do depoente mas; não numa Delegacia; que por duas vezes o acusado campareceu ao consultório do depoente para ser examinado; que da primeira vez compareceu o dr, Olímpio Pereira da Silva colega do depoente, do IML e da outra vez não se recorda se o acusado compareceu sozinho ou acompanhado; que Wilson Alcyl que também acompanhou o Dr. Olimpio na primeira consulta; que conversou com o acusado nessa primeira visita mas não chegou a nenhuma conclusão por que achava que o mesmo ou qualquer um deveria internar-se para ser melhor observado; que sugeriu que se quizessem que o depoente ficasse numa observação melhor; que fosse o paciente internado; que numa entrevista não dava para dignosticar alguma coisa relativa a sua especialidade, relativo ao paciente; que a aparência do acusado que era aparência tensa; que os acompanhantes do acusado não votaram a procura-lo; que da segunda vez se não se engana o acusado compareceu ao consultório acompanhado da esposa; que na segunda consulta o depoente prescreveu, medicações, digo, medicação ansiolítica recomendando-o se tratasse; que não se reccroda se ouvi outras consultas; que nunca receitou nada fora da presença do acusado; que já deu um parecer por escrito respondendo a consulta do Sanatório Botafogo, no mesmo sentido do depoimento que ora preta. Não se recordando que tenha ou não indicado a internação; que tem a impressão de que receitou 10 mg por dia de uma medicação ansiolita; que não se lembra quantos vidros receitou. PELO, Dr. assistente; que conhece o irmão do acusado como médico; que não se recorda se a mãe e o irmão do acusado estiveram no consultório; que não se recorda se a internação não se deu por questões financeiras, nada ....


NOSSA NOTA: 

O  Dr. Oswaldo Moraes Andrade ao dizer  "não chegou a nenhuma conclusão" e "...ou qualquer um", falou de forma genêrica, e provou que a Declaração do Comissário Wilson Oacyl Bodstein do DOPS, não foi autorizadas por ele.

No Relatório  Aprovado pelo Secretário de Segurança, General ANTONIO ,  FAUSTINO DA COSTA (visto abaixo) e Comissãrio Bodstein foi autuado em Artigo Penal, por efetuar PRISÃO SEM COMUNICAR AOS SUPERIORES ! 

Ficou configurado o CÁRCERE PRIVADO, com agravante penal de ser em HOSPITAL !!!



 

 

 

O marido foi preso no dia 11 de maio de 1972, e mulher estava empregada como INFORMANTE ASSALARIADA  do DOPS 20 dias depois. (1º de junho de 1972)

              

Alladyr Ramos Braga - Delegado de Polícia do DOPS --- Matrícula 700.634

  GABINETE do Diretor do DOPS, Coronel Gastão Barbosa Fernandes.

 

 

 


 
                
A mulher do anistiando, embora casada, transferia os bens do casal para o delegado  Bodstein !!!








Certidão de casamento do anistiado em 15 janeiro de 1965



              

 

AAverbação do Desquite, 16/01/1973

                 

       




Averbação do Divórcio da ex- mulher do anistiado em  17/12/1079, e CASAMENTO  em 27/02/1980 com o delegado do DOPS,  Wilson Oacyl Bodstein.

 

                                  



 

 

   A Ficha no DOPS, contendo "meias verdades" e muitas mentiras, (escrita a máquina e sem mencionar a origem do informe) não estaria livre da maquinação do delegado Bodstein, que tinha livre acesso aos Arquivos do DOPS !!!